Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Intimidades Reveladas



Sábado, 03.05.14

Quase metade dos homens chega ao orgasmo rápido demais

Quando o assunto é sexo, uma das maiores queixas femininas é a falta de sintonia entre o tempo necessário para que o casal chegue ao orgasmo. Enquanto eles são capazes de 'chegar lá' em poucos minutos, elas precisam de preliminares e um tempinho extra para 'bater nas nuvens' e voltar. 

De acordo com o urologista Harry Fisch, do Hospital Presbiteriano de Nova York, nos Estados Unidos, o problema começa pelo tempo médio de duração de uma relação sexual, que é de apenas 7,3 minutos. Fisch explica que cerca de 45% dos homens chega ao orgasmo dois minutos depois de iniciar a penetração, ao passo que as companheiras precisam ao menos de cinco a sete minutos para isso. O especialista lembra que não se trata de ejaculação precoce, é fisiológico mesmo. "Apenas homens que levam menos de dois minutos ou mais de 40 para ter um orgasmo devem procurar ajuda médica", destaca. 

Como o processo é fisiologicamente muito rápido, a dica é investir nas preliminares. Segundo o terapeuta Eduardo Navarro, elas são fundamentais para o sexo. "Quando executadas em comum acordo e de bom grado, criam um padrão de harmonia no casal, além de preparar os corpos para o ato sexual". Assim, de acordo com o especialista, esses carinhos acabam funcionando como um despertar para cada célula do corpo, um aviso ao que está prestes a acontecer. 

Reprodução



Qualidade x quantidade



O casal também não precisa se desesperar achando que está transando poucas vezes por semana e que isso pode prejudicar a vida a dois. Segundo Fisch, a média é de duas vezes por semana para casais entre 30 e 50 anos. E a quantidade tende a diminuir com o tempo. Depois dos 50 anos, o número médio cai para menos de uma vez por semana. 

Vale dizer que, no início da relação, é comum que o casal se divirta entre quatro paredes pelo menos uma vez por dia. Na faixa dos 20 anos os parceiros transam a cada um a três dias, em média. 

O médico salienta que na vida sexual conta mais a qualidade do que a quantidade de sexo que se faz. "Esse é realmente o ponto da questão: não é quanto sexo você tem, mas se você e seu parceiro estão felizes com o sexo que têm. Qualidade vence a quantidade. É tudo uma questão de satisfação", orienta. 

 

fonte:http://www.bonde.com.br/

Autoria e outros dados (tags, etc)

por adm às 11:59




Pesquisar

Pesquisar no Blog