Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Intimidades Reveladas



Segunda-feira, 19.01.15

O corpo inteiro é um grande ponto G

No vocabulário sexual uma letra gera dúvidas há décadas: o “G”. O ponto G realmente existe? É preciso encontrá-lo para chegar ao orgasmo? A busca desenfreada por sua descoberta vale a pena? São muitas as dúvidas que cercam o imaginário feminino e masculino quando o assunto é sexualidade.

O psicólogo clínico do Hapvida, André Assunção, afirma que o ponto G existe e depende de cada pessoa, da descoberta do próprio corpo e suas necessidades. Biologicamente, ele diz que o ponto de estimulação na mulher é o clitóris e no homem o ponto fica na próstata, mas na relação sexual a estimulação masculina está concentrada no próprio pênis. Porém, o corpo todo é um grande centro de estimulação, observa o especialista.

 

“Depende de cada pessoa. Pode ser no pescoço, atrás da orelha, pernas, mãos, enfim, cada um precisa descobrir o que lhe dá prazer”, reforça André.

Masturbação é o caminho para o autoconhecimento

Para ele, a ideia do ponto G serve para que os parceiros trabalhem a estimulação de suas zonas erógenas e por isso é preciso conhecer o próprio corpo. “Daí a importância da masturbação, que é a porta de entrada para o autoconhecimento do corpo”, diz o psicólogo. Geralmente, as mulheres que nunca chegam ou pouco chegam ao orgasmo são porque desconhecem o próprio corpo e por não saberem como estimular seu foco de prazer.

Após conhecer o próprio corpo por meio da masturbação, é fundamental a cumplicidade do casal para que ambos sejam estimulados de acordo com seus desejos. “Antes de tudo, é preciso respeito e parceria para satisfazer e ficar satisfeito”, diz o psicólogo ao ressaltar que, em seu consultório, as mulheres sempre são as mais interessadas e procuram sempre se informar sobre o assunto.

“Elas são geralmente mais esclarecidas sobre estimulação corporal. É preciso lembrar que o corpo todo é uma grande zona erógena e não somente o órgão sexual, como alguns homens ainda pensam”, afirma.

 

Tamanho do pênis não importa

Segundo André, alguns homens ainda dão importância para o tamanho do pênis, quando o que interessa é o seu manuseio e a sua forma. O mesmo vale para o tempo estimado de uma relação sexual. Não é a quantidade de tempo, mas a qualidade do ato. “Uma relação de 20 minutos que é bem elaborada, saudável e prazerosa é muito mais satisfatória do que uma hora de sexo sem muito proveito”, diz, ao afirmar que, nesse sentido, o sexo está na cabeça de quem faz.

“Biologicamente, nascemos com o ponto G definido, mas ao longo da vida, vamos sentindo e escolhendo as nossas próprias áreas de prazer”, conta.

Como dica para os casais, é muito importante ler e buscar informações sobre o assunto, descobrir o que o corpo oferece, estimular as zonas erógenas e procurar tratar a sexualidade com naturalidade e clareza. “É preciso se libertar de preconceitos para que a vivência da sexualidade seja proveitosa e satisfatória e, até para educar os filhos para serem libertos e encarar a sexualidade com naturalidade”, conclui.

Para a secretária M.A.C, de 29 anos, o ponto G está relacionado ao autoconhecimento. Ela aprendeu o seu ponto G descobrindo o próprio corpo, o que só foi possível quando parou de pensar em satisfazer só o parceiro. “Estou no meu segundo casamento e as coisas só melhoraram, pois percebi que antes de querer satisfazer o parceiro, é preciso estar satisfeita”, conta a secretária. Casada há quatro anos, ela vive, na cumplicidade do casamento, as descobertas diárias do próprio corpo.

 

fonte:http://g1.globo.com/

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 20:12


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




Pesquisar

Pesquisar no Blog