Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Intimidades Reveladas



Segunda-feira, 25.05.15

Como a comunicação durante o sexo pode melhorar a sua vida sexual

Falar sobre sexo pode se traduzir em benefícios para a nossa vida sexual – especialmente se a conversa acontece durante o ato. Uma nova pesquisa mostra que o conforto com a comunicação sexual está diretamente ligada à satisfação sexual.

Os pesquisadores descobriram que pessoas que estão mais à vontade para falar sobre sexo também são mais propensas a fazer isso durante o sexo. No entanto, isso não explica totalmente por que aqueles que gostam de conversar durante o ato sexual são mais felizes com suas vidas eróticas.

 

“Mesmo que você tenha só um pouco de ansiedade a respeito da comunicação, isso não afeta só o fato de você estar se comunicando ou não, mas também afeta diretamente a sua satisfação”, afirma a pesquisadora Elizabeth Babin, especialista em comunicação na saúde na Universidade Estadual de Cleveland (EUA).

A ansiedade “pode ​​tirar as pessoas do momento e, portanto, reduzir a satisfação geral que elas experimentam durante seus encontros”, explica ela.

Falando sobre sexo

Como as pessoas falam sobre sexo é um tema importante para os pesquisadores de saúde pública. Afinal, as pessoas que se sentem desconfortáveis ao ​​solicitar aos seus parceiros para usar preservativos podem estar em maior risco de ter relações sexuais desprotegidas, expondo-se a doenças sexualmente transmissíveis.

Mas poucas pesquisas já investigaram o que impede as pessoas de falar sobre seus gostos e desgostos na cama, conta Babin. “A fim de aumentar a qualidade da comunicação, precisamos descobrir por que as pessoas estão se comunicando e por que elas não estão se comunicando”, aponta.

 

Para fazer isso, Babin recrutou 207 pessoas, 88 das aulas de graduação e 119 de sites online, para completar pesquisas sobre sua apreensão a respeito da comunicação sexual, sua satisfação sexual e a quantidade de comunicação não verbal e verbal durante o sexo. Por exemplo, os participantes foram questionados quanto eles concordavam com afirmações como: “Eu me sinto nervoso quando eu penso em falar com o meu parceiro sobre os aspectos sexuais de nosso relacionamento”, e “Eu me sinto ansioso quando eu penso sobre o meu parceiro dizendo o que não gosta durante o sexo”.

Os participantes, com idade média de 29 anos, também responderam a perguntas sobre sua autoestima sexual, tais como quão bons parceiros eles achavam que eram e quão confiantes eles estavam em suas habilidades sexuais.

Comunicação sem palavras

As perguntas revelaram que o receio em falar sobre sexo pode estragar sua diversão sexual, estando a ansiedade ligada tanto a menos comunicação na cama quanto a menos satisfação geral. Não é novidade que menos apreensão na hora da comunicação sexual e maior autoestima sexual foram ambas associadas com mais comunicação durante o sexo.

Caso você não se sinta confortável para comentar “ao vivo” suas relações, não se preocupe. A comunicação não verbal está mais intimamente ligada à satisfação do que a comunicação verbal. “Sinais não verbais podem parecer mais seguros”, teoriza Babin. “Podem ser percebidos como menos ameaçadores, por isso pode ser mais fácil gemer ou se deslocar de uma certa maneira, o que pode dizer mais que a pessoa está se divertindo do que propriamente falar ‘Ei, isso é muito bom, eu gosto disso’. Isso pode parecer muito direto para algumas pessoas”.

A pesquisadora planeja agora pesquisar casais para obter os dois lados da história e descobrir como estilos de comunicação dos casais combinam com sua satisfação sexual. O objetivo final, segundo ela, é dar aos terapeutas e educadores sexuais ferramentas para ajudá-los a ensinar as pessoas a falar sobre sexo de forma mais aberta com os seus parceiros.

“A comunicação sexual é uma habilidade, e nós não estamos bem treinados nela”, finaliza. fontE:[LiveScience]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 20:26

Domingo, 24.05.15

Giovanna Lancellotti revela que era virgem quando gravou primeira cena de sexo em novela

Durante a gravação da novela Insensato Coração, Giovanna Lancelotti tinha apenas 18 anos e ainda era virgem. Porém, a atriz teve que encenar a primeira vez da personagem Cecília, mesmo sem ter nenhuma experiência sexual na vida real.

A revelação foi feita durante entrevista no Programa do Jô. Na atração, a atriz contou que entrou em pânico durante a gravação e ficou sem saber como reagir.

— Perdi a virgindade em rede nacional. Era uma cena com o Jonatas Faro, que é super meu parceiro, e eu expliquei para ele, que foi super cavalheiro. Ele não era virgem, já tinha filho.

Em Gabriela, Giovanna teve que gravar outras cenas de sexo, já que interpretava a prostituta Lindinalva. Mas ali ela encarou com mais naturalidade.

— Ali, eu já tinha me livrado do peso de ser virgem, mas mesmo assim ainda era inexperiente.

fonte:http://entretenimento.r7.com/f

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 11:16

Domingo, 24.05.15

Ciência tenta explicar por que os homens existem

Um novo estudo, publicado na revista científica Nature, afirma que encontrou uma utilidade real para homens: vantagens evolucionárias.

Como existem outros métodos de reprodução além do sexo e levando-se em conta que a contribuição masculina para o processo reprodutivo se resume apenas ao espermatozoide, muitos questionam se os homens poderiam ser descartados.

O sexo, apesar de apresentar muitas desvantagens como método de reprodução, é adotado por cerca de 3 milhões de espécies.

Isso ocorre mesmo com problemas como perda de tempo, esforço na busca de um parceiro adequado e a possibilidade de bons genes não serem passados para os descendentes - já que os dois pais contribuem com genes -, o que não é bom quando se fala em seleção natural.

Mas o estudo dos pesquisadores da Universidade East Anglia, na Grã-Bretanha, aponta que a seleção sexual traz vantagens evolucionárias.

 

"Seleção sexual é uma força evolucionária poderosa que determina quem vai se reproduzir", disse à BBC o professor de ecologia evolucionária Matt Gage, que liderou a pesquisa.

 

Rituais de acasalamento ou plumagens e adereços para chamar a atenção de uma fêmea em uma espécie podem ser facilmente observados na natureza.

Mas esta pesquisa dá uma ideia melhor da importância evolucionária deste comportamento na sobrevivência das espécies.

Segundo os pesquisadores, a seleção sexual permite que bons genes sejam espalhados e combate a proliferação de genes considerados ruins.

Dessa maneira, a competição entre machos para a reprodução resulta em um benefício muito importante: a melhora da saúde genética da população, segundo Gage.

 

Para atrair parceiras, machos precisam competir contra os adversários na luta para se reproduzir e aqueles que são bons nesta competição tendem a ser bons na maioria das outras coisas.

Então, a seleção sexual fornece um filtro importante e eficaz para manter e melhorar a saúde genética da população, segundo os cientistas.

Para avaliar a importância da seleção sexual na evolução, os cientistas estudaram grupos diferentes de besouros castanhos em laboratório durante uma década.

A proporção entre machos e fêmeas variava nos diferentes grupos para que os cientistas se concentrassem na importância da competição.

 

Depois de sete anos, ou 50 gerações, os pesquisadores descobriram que os machos que competiam mais pelas fêmeas eram mais saudáveis e mais resistentes a doenças.

Mas os besouros que se reproduziam sem a necessidade de seleção sexual foram extintos depois de apenas dez gerações.

 

fonte:http://www.bbc.co.uk/p

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por adm às 11:15

Domingo, 24.05.15

Pare de se enganar! 26 verdades sobre relacionamentos que você precisa saber

Essa é mais uma lista superlegal elaborada pelo blog Casal Sem Vergonha, editado por Emerson Viegas e Jaqueline Barbosa. Famoso por suas abordagens sinceras e despojadas, desta vez o casal relacionou algumas verdades que muita gente precisa saber sobre relacionamentos, mas que os amigos não têm coragem de falar.

Emerson e Jaqueline se definem como "um casal de verdade que, inconformado com a hipocrisia com a qual sexo e o amor eram discutidos, resolveu falar do tema sem tabus nem preconceitos, como você falaria com seu amigo na mesa de bar".

Se você costuma ouvir rumores ou críticas veladas sobre o seu comportamento amoroso, anote 26 considerações deste casal pra lá de descolado:

1. Ninguém muda ninguém. Acreditar que ele vai mudar só porque vocês estão juntos é uma grande perda de tempo e energia.

2. Se quiser beijar, beije. Se quiser ligar, ligue. Se quiser transar, transe. Algumas oportunidades só surgem uma vez durante a vida.

3. Se você se gaba de ser bipolar e inconstante, dê um jeito nisso. Só você acha que isso é uma qualidade.

4. Alianças e contratos não seguram relacionamentos. Parceria, admiração, respeito e tesão sim.

5. Não vale a pena sofrer por ninguém. Se ele te fez derramar alguma lágrima de dor, então já é um sinal de que ele não é bom o bastante para você.

6. Se vocês não conseguem passar um dia juntos sem brigar, termine agora mesmo. Vai ser insuportável viver desse jeito por muito tempo.

7. Se você acredita que não existem pessoas fiéis no mundo, então você só vai atrair as infiéis. Nós recebemos o amor que achamos que merecemos.

8. Se ele(a) é comprometido, caia fora. Ou você vai se lembrar disso quando ganhar um belo par de chifres. Lembre-se tudo o que vem, volta.

9. Pare de mendigar o amor alheio. Quem se ama de verdade não se sujeita à migalhas.

10. Amor sem sexo é amizade. Se esforce todos os dias para manter o nível de qualidade do sexo no seu relacionamento. Uma vida sexual monótona é a causadora de vários términos.

11. Pare hoje mesmo com essa história de ciúmes. Se for se relacionar, que seja por inteiro e não com dúvidas. Confie no seu taco.

12. Os momentos que vão ficar na memória são sempre os mais simples e espontâneos.

13. Aprenda a arte do elogio. Não é porque ela já sabe, que não precisa mais ouvir.

14. Voltar para um relacionamento que não deu certo é como ver o mesmo filme duas vezes. Você já sabe o final.

15. Se você não encontra ninguém legal, então o problema é com você, e não com o mundo. Aprenda a olhar para dentro e consertar seus defeitos em vez de colocar sempre a culpa nos outros.

16. Se você tem mais de 13 anos, deveria abandonar os joguinhos. Quem brinca com sentimentos é porque não tem maturidade para lidar com eles.
17. Só traga pro seu peito aqueles que merecem de verdade.

18. Se ele sempre inventa uma desculpa para não te ver, não é porque ele está fazendo joguinho pra te conquistar – é porque ele realmente não está a fim de você. Quem quer dá um jeito. Supere esse fato e parta pra próxima.

19. Aquela estranha no bar, para a qual você não teve coragem de ir dizer um oi, poderia ter sido o amor da sua vida. E você pode tê-la deixado escapar por entre seus dedos.

20. Se suas maiores referências sobre relacionamentos são comédias românticas, você está fazendo isso errado.

21. Sofra, mas se levante rápido. Enquanto você fica aí na fossa lembrando de alguém que não te quer, pode estar perdendo a chance de encontrar alguém que vale a pena de verdade.

22. Lingeries são bacanas, mas não valem de nada se você não tiver atitude no sexo.

23. Se você está procurando a metade da sua laranja, então já começou errado. Relacionamentos que valem a pena de verdade são feitos de dois inteiros, e não de duas metades.

24. Você é mais bonita(o) do que imagina.

25. É possível se apaixonar várias vezes pela mesma pessoa. Agora, se decepcionar, é só uma vez. Depois de uma decepção, nunca é possível juntar os cacos sem deixar marcas.

26. Acorde todo dia dizendo para você mesmo: eu me amo. Se você não se amar, ninguém mais no mundo poderá fazê-lo. (Fonte: Casal sem Vergonha)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 11:14

Sábado, 23.05.15

Dez coisas esquisitas que acontecem em qualquer relacionamento

Estar apaixonado e viver ao lado de quem se ama é divertido, emocionante e preenche a vida das pessoas de momentos maravilhosos. A primeira foto, o pedido de namoro, a primeira viagem pra praia. Sim, é quase impossível não se encantar com tantas possibilidades que o encontro definitivo entre dois indivíduos que se admiram pode proporcionar. Mas estar num relacionamento novo também traz momentos um tanto…estranhos. Confira a seguir se você se identifica com as ocasiões selecionadas pelo site Gurl:

1) A primeira vez que você usa animais em apelidos carinhosos. “Meu ursinho! Coelhinha! Minha girafinha predileta”. Se houver silêncio no ar é porque foi a primeira e última vez – ele(a) não curtiu.

2) Encontrar os pais e amigos dele(a). Sim, todos parecem ser pessoas legais e agradáveis, mas isso tinha que acontecer justamente no primeiro final de semana que vocês passam juntos? É muita coincidência.

 

3) Quando você tem que descobrir o que a outra pessoa gosta na cama.Enfim nus! O que você mais gosta de fazer pra começar? No cinema tudo parece muito natural e intuitivo, porém na vida real as coisas podem ser bem mais desafiadoras - e excitantes também!

4) Deixar que ele te veja sem maquiagem. Bem, esse é o meu rosto verdadeiro. Você vai ter que lidar com isso…

 

5) A primeira vez que vocês postam uma foto juntos. Enquanto um ainda está pensando na possibilidade, o outro eventualmente assume a dianteira. “Aliás, estou postando e te tageando.”

6) Se beijar em lugares escalafobéticos. Escadas rolantes, portas de entrada, elevadores, vias públicas…obviamente as pessoas são livres para expressar afeto em público. Mas o que leva casais a ficarem se pegando bem no meio do caminho? Há tantos cantos e bancos de praças ociosos por aí!

 

7) Decidir se você torna a relação oficial no Facebook. Você clica, mas antes de confirmar é quase inevitável pensar: “Será que é cedo…ou tarde demais pra isso?”

8) Comprar um presente para ele.Vejamos, uma camisa do time do coração dele ou um aparelho de barbear? Já sei: um tablet! Ou será que ele já tem um? Afinal, o que esse cara mais gosta de verdade?

 

9) Se dar conta que vocês brigam por coisas idiotas. Disputas estúpidas podem ser desencadeadas por ciúmes, tarefas domésticas, atenção, ou qualquer desculpa esfarrapada. Então é isso que os casais fazem?

10) Dizer “eu te amo” pela primeira vez. Talvez isso não aconteça durante aquele jantar maravilhoso à luz de velas regado a Pinot Noir que ele preparou pra você. Ás vezes, pode ser depois de uma discussão, ou numa despedida. No fim das contas, você pode ter esperado muito por esse momento, entretanto o “eu te amo” nem sempre é tão romântico quanto se esperava. Afinal, o amor não conhece regras ou limites.

 

fonte:https://br.mulher.yahoo.com/

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 22:11

Sexta-feira, 22.05.15

Aprenda a ler os sinais do corpo e a "dizer" o que quer por gestos

Sabia que a expressão corporal pode revelar muito de si e dos seus desejos, principalmente os sexuais? É verdade. Quando nos sentimos atraídas por alguém, é natural que empinemos mais o peito e ajustemos a roupa de modo a mostrar as formas do corpo, mesmo que tudo isso seja feito de forma inconsciente. Sorrir e lamber os lábios pode ser sinal de “apetite” pela outra pessoa, enquanto um simples sorriso é sempre sinónimo de agrado por quem está à nossa frente. Siga o nosso guia da linguagem corporal, mostre-o ao seu companheiro e comece, desde já, a seduzi-lo com este tipo de idioma, mais ou menos explícito. 

 
Lábios entreabertos
Quando alguém nos agrada, é natural que mantenhamos os lábios entreabertos, façamos um sorriso e até passemos a língua pelos lábios, humedecendo-os. Quando o seu parceiro começar a perceber o que isto quer dizer, pode, sem grandes palavras, passar à ação.
 
Entrelaçar o cabelo
É um clássico da mulher que está à espera de algo mais. Brincar com os cabelos, entrelaçando-os entre os dedos, é muleta de uma sedutora. A conquistadora fá-lo para ganhar tempo, enquanto observa melhor a “presa” e ouve bem a sua conversa.
 
Sobrancelhas levantadas
Quando olhamos para alguém que nos atrai, é natural que os olhos se abram mais e as sobrancelhas arqueiem. Tal como o guloso perante uma montra de doces, a mulher atraída tenderá a fazer este gesto, inadvertidamente. 
 
Cruzar de pernas
Lembra-se do famoso cruzar de pernas do filme “Instinto Fatal”? Ficou na história do cinema e pode ficar na história da sua vida amorosa. Ao fazê-lo, a mulher pretende chamar a atenção para a sua elegância. Se é atrevida, faça como  Sharon Stone e dispense a roupa interior. Mas assegure-se que só a sua “vítima” observa o cruzar de pernas mágico.
 
Brincar com a garrafa
Aqui está outro clássico. Se bem se lembra, já no liceu, quando alguém brincava com o gargalo da garrafa, era normal ouvir os colegas mandarem “bocas” sobre o desejo de ter sexo. Os objetos cilíndricos lembram, mesmo que inconscientemente, o formato do pénis, por isso é natural que as mulheres que gostam de brincar com eles sintam vontade de ter sexo. Rodar o dedo pela borda do copo encontra-se na mesma categoria de movimento, com o mesmo estilo de significado.
 
Tocar o rosto
Fazer festas na própria cara é a manifestação de que esperamos que outros nos acariciem. A mulher fá-lo, normalmente, com o tal sorriso que já descrevemos 
e um olhar sedutor. Sem mais medidas, se a caça está garantida e o local é discreto, atire-se à sua “presa”. Ele vai gostar!
fonte:http://tvmais.sapo.pt/s

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 21:19

Quinta-feira, 21.05.15

O que é o Transtorno da Aversão Sexual?

Após uma tentativa de suicídio, William, com pouco mais de 40 anos, recebeu indicação médica para fazer terapia. Ele nunca havia tido qualquer tipo de contato sexual. Semanas após o início do tratamento, o paciente obteve um diagnóstico. Ele tinha o chamado "Transtorno de Aversão Sexual", caracterizado por rejeição extrema e persistente a todo tipo de contato genital com outra pessoa.

O psiquiatra Martin Baggaley, diretor do Centro de Saúde Mental do hospital South London and Maudsley, em Londres, Reino Unido, explica que a mera ideia de um ato sexual gera asco, repulsa e ansiedade na pessoa.

— Ela se sente ameaçada e passa a sentir um medo muito intenso, por isso faz o possível para evitar todo tipo de contato.

O transtorno é descrito no Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders ou DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, em tradução livre), conhecido como a "bíblia da psiquiatria", e na CID (Classificação Internacional de Doenças) da OMS (Organização Mundial de Saúde). As duas publicações são referência no mundo da saúde para o diagnóstico de doenças.

Carmita Abdo, psiquiatra e professora da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), afirma que a doença não está ligada ao desejo sexual.

— O critério para fechar diagnóstico é: não ter desejo incomoda? Sabemos que existem abstêmios, chamados assexuados. Não sofrem, não se preocupam. A libido provavelmente está depositada em outra área, na carreira, num projeto de vida, numa obra social. Então, se não incomoda, não vamos categorizar como uma doença. Mas se a pessoa tem aversão, muito provavelmente vai se incomodar, porque o sexo está em toda a parte.

De onde vem?

Este parece ser o caso do paciente William. Durante as sessões de terapia, ele revelou que sua mãe era alcoólatra e promíscua. Ela flertava frequentemente com os amigos do filho e tinha sido infiel ao marido (o pai de William) várias vezes. Quando William tinha 12 anos, seu pai cometeu suicídio. Em algumas ocasiões, contou o paciente, a mãe tinha tentado seduzi-lo.

O caso de William foi um entre 144 incluídos em um relatório feito pelo especialista americano Patrick Carnes, autor de vários livros sobre transtornos sexuais. O trabalho identificou, entre pacientes diagnosticados com o Transtorno da Aversão Sexual, alguns pontos em comum. Por exemplo, eles tinham históricos de depressão, além de terem sofrido tipos específicos de abuso.

Segundo Modesto Rey, ginecologista da Sociedad Española de Contracepción, a aversão estaria relacionada a "experiências traumáticas na infância, famílias desestruturadas, agressões na vida adulta, exposição a sistemas educacionais e morais restritivos e com visão negativa da sexualidade, o que gera medo e repulsa na pessoa.

Além do Sexo

De acordo com os especialistas, os efeitos do transtorno não se limitam ao plano sexual.

Para John Dean, ex-presidente da International Society for Sexual Medicine (Sociedade Internacional de Medicina Sexual, ISSM na sigla em inglês), a doença "é um problema para os que sofrem (do transtorno) porque podem querer estabelecer relações sentimentais duradouras com outras pessoas, mas não conseguem".

Em alguns pacientes, ele pode dificultar até interações sociais mais básicas. Como no caso da paciente "G", que decidiu, aos 39 anos, procurar terapia no Center for Healthy Sex (Centro para o Sexo Saudável), em Los Angeles, Estados Unidos. Ela nunca havia tido relações sexuais.

 

O ginecologista Modesto Rey, que também indica terapias de base comportamental, explicou o princípio por trás da terapia:

— Aborda-se o tema e as situações que provocam medo de forma progressiva e, inicialmente, periférica. Também podem ser usadas terapias cognitivas, para que a pessoa reinterprete a realidade que gera a ansiedade.

Outros especialistas sugerem que a solução para o problema envolva tratamentos psicológicos de longo prazo, que levem o paciente a entender as causas do transtorno para depois definir objetivos futuros.

fonte:http://noticias.r7.com/s

Autoria e outros dados (tags, etc)

por adm às 21:56

Quinta-feira, 21.05.15

Aprenda dicas de como levar seu companheiro à loucura

Para muitas mulheres, as preliminares são essenciais para que elas entrem no clima e fiquem dispostas para uma grande noite de sexo. Engana-se quem pensa que o homem descarta totalmente as brincadeiras antes da transa. No entanto, por timidez ou falta de experiência, algumas mulheres não sabem exatamente como agradar o parceiro com toques sensuais. Aprenda dicas de como acariciar o pênis e levar o companheiro à loucura.

Antes de mais nada é preciso saber que o pênis é uma região bastante sensível para o homem e precisa ser tratada com calma e cuidado, pelo menos no início da brincadeira. Usar um bom lubrificante ajuda bastante na hora de acariciar o membro do parceiro. Com o gel nas mãos, a mulher pode começar a masturbar lentamente o companheiro, de forma bem gentil, atiçando e provocando.

Quando o pênis estiver bem ereto, a masturbação pode ficar mais intensa. A mulher pode apostar em movimentos mais rápidos e segurar o membro com mais força. Cada homem gosta de um tipo de toque. Portanto, é importante ficar de olho nas expressões faciais dele, sentindo e percebendo a forma como ele tem mais prazer.

Usar a língua ainda pode ser bastante excitante na brincadeira. Enquanto masturba e acaricia o parceiro, a mulher pode encostar a ponta da língua na glande, a cabeça do pênis, bem de leve para deixá-lo arrepiado. Se fizer isso olhando para os olhos dele, certamente vai fazer com que ele perca o fôlego. Lamber a base do pênis e os testículos, sem iniciar, de fato, o sexo oral, também é uma forma de carícia que eles gostam muito./Vale lembrar ainda que criatividade é a palavra de ordem entre quatro paredes. Usar essas dicas básicas com complementos só seus ajudam a inovar na hora do sexo e fazer com que a transa fique ainda mais apimentada.

FONTE:
  • Bolsa de Mulher
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 21:38

Pág. 2/2




Pesquisar

Pesquisar no Blog