Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Intimidades Reveladas



Segunda-feira, 14.04.14

Pornografia: elas também já pensam como eles

Um estudo vem finalmente provar que homens e mulheres se preocupam igualmente com sexo. A investigação feita junto de 800 jovens de 16 anos suecos vem revelar que, mesmo que os rapazes consumam mais pornografia e pensem sobre isso mais vezes, eles e elas fantasiam sobre as mesmas coisas. 

O mesmo estudo sugere que as adolescentes interessam-se mais por pornografia do que as convenções sugerem. Os resultados indicam que não há diferenças entre rapazes e raparigas que admitem que o seu comportamento sexual é influenciado pela pornografia. 


A mesma investigação, publicada no «Journal of Developmental e Behavioral Pediatrics» e citada pela revista «Time», aponta para uma maior experiência das meninas no que toca ao sexo oral, anal e vaginal.

fonte:http://www.tvi24.iol.pt/

Autoria e outros dados (tags, etc)

por adm às 19:29

Segunda-feira, 14.04.14

Sob pressão social, tunisianas recorrem à segunda virgindade

Salima está convencida de que "algumas gotas de sangue não representam a honra de uma mulher"; no entanto, esta tunisiana de 32 anos se submeteu à reconstrução do hímen para chegar na condição de virgem à noite de núpcias.

Assim como ela, muitas tunisianas recorrem à cirurgia para se amoldar a uma sociedade que continua conservadora por trás da fachada moderna e evitar ser rejeitadas por certos homens que afirmam, sem rodeios, que nunca se casariam com mulheres "já usadas".

A operação de reconstrução do hímen, uma pequena membrana situada na entrada da vagina, dura apenas meia hora e custa entre 800 e 1.400 dinares (400 a 700 euros), caso a mulher queira reconstituir a "virgindade" por alguns dias (himenorrafia) ou de forma duradoura (himenoplastia).

 

"O número de mulheres que recorre à himenoplastia ou à himenorrafia aumentou muito nos últimos anos", disse à AFP Moncef Kamel, médico que trabalha em Djerba, no sul da Tunísia.

O doutor Kamel opera a cada ano uma centena de mulheres, de 18 a 45 anos, que chegam ao consultório "com o rosto tapado por um véu ou lenço e com grandes óculos (escuros)".

Costuma se tratar de mulheres que "têm uma atividade sexual normal" e que, no geral, provêm de meios sociais desfavorecidos.

Mas faltam dados precisos sobre a proporção exata do fenômeno. "É um tema tabu, o que explica a falta de estatísticas oficiais", explicou o ginecologista Fauzi Hajri, que trabalha na capital, Túnis.

Hajri também opera uma centena de mulheres por ano e entre suas pacientes há argelinas e líbias. Ele constatou que sua atividade está submetida a variações sazonais, com um aumento considerável a partir do início da primavera, em abril, que também é a época dos casamentos.

Hipocrisia social
Para o doutor Hajri, este fenômeno se explica, sobretudo, pelo aumento da idade média do casamento. Muitos jovens tunisianos de ambos os sexos mantêm relações pré-nupciais e ao se aproximar o dia do casamento, as mulheres recorrem à reconstrução do hímen.

Esta prática revela, segundo o sociólogo Tarek Belhadj Mohamed, a hipocrisia da sociedade, que se nega a admitir a mudança de hábitos de grande parte da população.

Em seu livro, "Virges? La Nouvelle Sexualité des Tunisiennes" (Virgens, a Nova Sexualidade das Tunisianas, em uma tradução livre), a psicanalista Nedra ben Smail afirma que "os médicos calculam que apenas 5% das jovens não se preocupam com a virgindade antes do casamento. Vinte por cento seriam constituídos por 'verdadeiras virgens' e três quartos são 'virgens medicamente assistidas'".

"O estilo de vida na Tunísia parece moderno e aberto, mas a realidade reflete o contrário: nossa sociedade e inclusive as elites se mostram tolerantes com relação à virgindade na teoria; mas quando o assunto lhes diz respeito, vira uma condição primordial para o casamento", afirma Tarek Belhadj Mohamed.

"A virgindade é um certificado de validade para a mulher, que na nossa sociedade só tem uma função sexual e reprodutiva, enquanto o homem deve 'treinar' para se mostrar sexualmente maduro ao se casar", acrescentou. A reconstrução do hímen, afirma, é um ato de "hipocrisia social e uma discriminação com as mulheres".

Sob pressão, é melhor mentir
Salima não diz nada diferente, mesmo a Tunísia sendo desde os anos 1950 o país árabe onde as mulheres têm mais direitos. A Constituição adotada em janeiro reconhece inclusiva a igualdade entre os sexos.

"A hipocrisia dos homens e da nossa sociedade me empurra para fazer a operação. Mas para mim, umas gotas de sangue não representam a honra de uma mulher", diz Salima.

A jovem, que obviamente preferiu omitir seu sobrenome, também explicou que uma vez quis "jogar limpo" com um homem.

"Mas assim que soube, recusou o casamento e fez tudo o possível para me levar para a cama. Esta é a mentalidade dos homens: uma mulher que teve relações sexuais antes do casamento é apenas uma prostituta e não pode ser boa mãe!", lamenta.

Sabra, de 27 anos, não pensa que "a virgindade seja garantia de fidelidade" e reivindica "o direito da mulher a uma vida sexual". No entanto, também prefere mentir e ceder à pressão social a ficar sozinha.

"Se eu tivesse dito ao meu marido que não era virgem, não teria aceitado se casar comigo e este é o caso de muitas mulheres na Tunísia", afirma.

 

fonte:http://g1.globo.com/

Autoria e outros dados (tags, etc)

por adm às 19:29

Segunda-feira, 14.04.14

Vida sexual feliz é segredo de casamento duradouro

Bom dia! Você está feliz com sua vida sexual? Segundo a ciência, as relações íntimas são mais importantes para um casamento duradouro do que declarações de amor e presentinhos.

A conclusão é da Universidade de Chicago. Segundo um estudo dos americanos, os casais que tinham o relacionamento mais feliz eram aqueles que iam para a cama mais vezes.

A pesquisa ouviu 732 casais, entre 57 e 85 anos, e analisou a frequência sexual de cada um. De quebra, o estudo mostrou que os casamentos felizes ainda deixavam os parceiros menos doentes.

Só não vale usar o estudo como desculpa para não agradar mais o parceiro. Flores, bombons e carinho continuam não fazendo mal a ninguém. 

fonte:http://entretenimento.r7.com/

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 19:28

Segunda-feira, 14.04.14

'Gosto de ser surpreender e ser surpreendida no sexo', diz atriz Juliana Alves

 

 

Juliana Alves, atriz e rainha de bateria da Unidos da Tijuca, falou sem pudores sobre suas preferências sexuais em entrevista à revista "GQ Brasil".

 

"No sexo, gosto de surpreender e de ser surpreendida. Gosto mesmo de ser muitas, talvez por ser atriz. Para mim, rotina, nem pensar", revelou.

 

Ela também afirmou nunca ter fingido um orgasmo.

 

"Nunca fingi orgasmo. Se não estiver bom, prefiro me esforçar para deixar a situação mais interessante, e não enganar alguém", explicou Juliana, que acaba de estrear no novo quadro "Artista Completão", do "Domingão do Faustão" (Globo).

 

fonte:http://www.jornalfloripa.com.br/e

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por adm às 19:28

Segunda-feira, 14.04.14

Segundo estudo, parceiros sabem quando orgasmo é fingido

 

Há  muito tempo, todos dizem que as mulheres conseguem com facilidade fingir orgasmo, mas um novo estudo canadense mostra que a história não é bem essa. Os especialistas dizem que a maioria das pessoas, independente do sexo, é capaz de perceber o nível de satisfação do parceiro, o que leva a crer que fingir ter prazer não convence tanto assim. As informações são do site inglês Daily Mail.

Os pesquisadores da Universidade de Waterloo, em Ontario, no Canadá, concluíram ainda que homens e mulheres têm o mesmo nível de percepção em relação à satisfação sexual do parceiro, façam eles parte de um casamento de muito tempo e tenham uma grande carga de intimidade ou tenham acabado de se conhecer.

"Descobrimos que ter uma boa comunicação sobre os problemas na cama ajuda ainda mais as pessoas a verem o quanto o parceiro está feliz, mas mesmo quem tiver deficiência nesse quesito, ainda assim é possível avaliar a felicidade do outro apenas observando suas emoções", explica Erin Fallis, estudante PhD do Departamento de Psicologia da universidade responsável pelo estudo.

Os profissionais entrevistaram separadamente homens e mulheres que responderam sobre suas satisfações na relação amorosa, sobre satisfação sexual e ainda sobre a comunicação sobre sexo e compararam os resultados.

fonte:http://mulher.terra.com.br/

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por adm às 19:27

Segunda-feira, 14.04.14

Sexo oral causa mais câncer de garganta que cigarro e álcool, diz especialista

 


O cigarro e o consumo frequente de bebidas alcoólicas sempre foram apresentados como vilões dos cânceres de orofaringe, especialmente na região da garganta. Embora ambos continuem sendo importantes fatores de risco, na última década observou-se um aumento significativo de casos da doença relacionados ao vírus HPV (papilomavírus humano).

 

O oncologista Dr. Luiz Paulo Kowalski, diretor do Núcleo de Cabeça e Pescoço do Hospital A.C. Camargo, em São Paulo (SP), explica que houve uma mudança no perfil da doença, ou seja, “o que antes era frequente em homens acima dos 50 anos que fumavam e bebiam, agora é mais comum em jovens (30 a 40 anos) que fazem sexo oral desprotegido e têm vários parceiros”.

 

"É uma epidemia que está começando e acredito que por volta de 2020 o número de casos de câncer na garganta por HPV vai superar o provocado por álcool e tabaco. Atualmente, em São Paulo, cerca de 50% das pessoas com câncer de orofaringe foram infectadas pelo papilomavírus humano", analisa.

 

Para o médico, apesar de a conscientização da sociedade sobre os perigos do tabaco e o consequente abandono do vício, hoje o desenvolvimento do câncer na região da boca é decorrente da mudança de comportamento dos jovens que negligenciam o uso da camisinha.

 

"A principal forma de contágio é o sexo oral, sendo que ainda existe a possibilidade de transmissão do vírus pelo beijo. Por isso, é importante fazer sexo seguro e procurar restringir o número de parceiros", diz.

 

Vacina HPV

 

Além disso, o especialista reforça que a vacina contra o HPV é a forma mais eficaz de prevenção e deve ser administrada, de preferência, antes do primeiro contato sexual. No entanto, a ginecologista Dra. Neila Maria de Gois Speck, professora afiliada do departamento de Ginecologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e membro da diretoria da Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior, avisa que ela também pode ser usada por pessoas mais velhas.

 

"A indicação de bula é para mulheres entre 9 a 26 anos, mas trabalhos científicos mostram que ela é eficaz até os 50 anos. Além disso, a vacina é aprovada para o uso em homens."

 

Diagnóstico

 

Entre os sintomas do câncer de garganta, o médico do Hospital A.C. Camargo destaca dor persistente e progressiva na região, geralmente de um único lado, e dificuldade de engolir. Segundo ele, como o assunto está mais conhecido pela classe médica e população em geral, o diagnóstico se torna precoce e a chance de cura é maior.

 

"A cura depende da extensão da doença, mas em estágios iniciais a chance é de 90%; em casos mais avançados a porcentagem cai para 70%. Mesmo assim, é importante o paciente redobrar as medidas preventivas porque a doença pode voltar", explica o médico.

 

Assim como para o câncer de mama, o autoexame na boca e garganta é importante. Dr. Kolwaski orienta olhar na frente do espelho e procurar manchas vermelhas, brancas, feridas e bolinhas na região. Se detectado alguma alteração, vale procurar um especialista que pode, inclusive, ser o dentista ou otorrinolaringologista.

 

"Caso esses profissionais desconfiem de câncer, o oncologista será contatado e assumirá o caso", finaliza.



fonte:http://www.acritica.net/

Autoria e outros dados (tags, etc)

por adm às 19:26

Pág. 3/3




Pesquisar

Pesquisar no Blog